top of page

Kintsugi - A arte japonesa que nos ensina a trabalhar com nossas falhas



Como um copo ou prato favorito, as pessoas às vezes quebram. Podemos até quebrar.

Obviamente, não podemos e não devemos nos jogar fora quando isso acontece. Em vez disso, podemos saborear as manchas e aprender a transformar essas cicatrizes em arte - como o kintsugi (金 継 ぎ), uma antiga prática japonesa que embeleza a cerâmica quebrada.


Kintsugi, ou emenda de ouro, é uma manifestação física de resiliência. Em vez de descartar vasos danificados, os profissionais da arte reparam itens quebrados com um adesivo dourado que aprimora as linhas de quebra, tornando a peça única. Eles chamam a atenção para as linhas feitas pelo tempo e pelo uso grosseiro; estes não são uma fonte de vergonha. Essa prática - também conhecida como kintsukuroi, que literalmente significa remendar ouro - enfatiza a beleza e a utilidade das quebras e imperfeições. Transforma um problema em uma vantagem.


Reparo dourado


Segundo os historiadores da arte, o kintsugi surgiu acidentalmente (o que é apropriado). Quando o shogun (título militar, usado no período do Japão feudal, concedido diretamente pelo Imperador ao general que comandava o exército) do século XV - Ashikaga Yoshimasa - quebrou sua tigela de chá favorita, ele a enviou para a China para reparos e ficou desapontado por ter voltado grampeado. Os pinos de metal eram feios, então os artesãos locais encontraram uma solução - encheram a fenda com uma laca dourada, tornando a tigela mais única e valiosa. Esse reparo elevou a tigela caída de volta ao seu lugar como favorito do shogun e levou a uma forma de arte totalmente nova.


O shogun Yoshimasa certamente poderia ter substituído sua tigela de chá favorita, mas ele não queria desperdiçá-la. Ao torná-la mais bonita após a quebra, os artesãos locais respeitaram as mudanças que o tempo e o uso fazem na tigela e demonstraram que elas podem ser apreciadas e até enfatizadas, em vez de tentar ocultar o desgaste.




Uma linda bagunça


Você provavelmente não espera que outras pessoas sejam perfeitas. Você pode realmente apreciar quando as pessoas expõem suas vulnerabilidades, mostram feridas antigas ou admitem erros. É uma evidência de que somos todos falíveis, que curamos e crescemos, que sobrevivemos a golpes no ego ou em nossa reputação ou saúde e que podemos viver para contar a história. Expor vulnerabilidades ao admitir erros cria intimidade e confiança nos relacionamentos e promove o perdão.


Ainda assim, apesar de muitas vezes sermos aliviados quando outros são verdadeiros, temos medo de nos expor. Isso é ruim. Os psicólogos chamam essa distinção de "belo efeito de bagunça". Vemos a honestidade de outras pessoas sobre suas falhas como positiva, mas consideramos que admitir nossas próprias falhas é muito mais problemático. Essa tendência decorre do fato de entendermos as experiências de outras pessoas de maneira abstrata e ainda assim vermos as nossas concretamente. Sentimos as coisas que nos acontecem visceralmente e fisicamente. O que acontece com os outros, no entanto, funciona mais como uma história instrutiva, porque a dor do fracasso não é nossa e a distância nos dá perspectiva. Todos nós entendemos em teoria que coisas ruins acontecem. Mas também nos sentimos muito mal quando elas acontecem conosco e nos condenamos.


"Vulnerabilidade é coragem em você e inadequação em mim", escreve Brene Brown, professora da Universidade de Houston, em seu livro Daring Greatly, sobre o poder transformador de expor o que podemos considerar pontos fracos. Como os artesãos kintsugi que consertaram a tigela do shogun com ouro há muito tempo, Brown vê as imperfeições como presentes a serem trabalhados, não vergonhas a serem escondidas.




Transformando o comum em extraordinário


É absurdo ficar envergonhado com erros e falhas em nossas vidas, porque eles acontecem com todos, e nenhuma experiência é desperdiçada. Tudo o que você faz - bom, ruim e feio - pode servir de lição, mesmo que você nunca mais queira repetir. De fato, os erros podem ser as experiências mais importantes e eficazes de todas. As coisas desmoronam. Isso é vida. Mas, se você for sábio, poderá usar todos os recados, se consertar e seguir em frente.


Essa é a essência da desenvoltura.

Da mesma forma, a evidência física da existência que se acumula ao longo do tempo e uma vida bem vivida pode ser mais uma fonte de orgulho do que de vergonha. Não precisamos tentar parecer jovens e impecáveis, como se todos fossem produtos novos fabricados para o Instagram. Cabelos brancos, pele alinhada, cicatrizes, quilos extras que mostram seu gosto por uma boa refeição - eles não precisam ser tingidos, esticados, escondidos e perdidos. Eles podem ser vistos como sinais de que você está fazendo algo certo, que persiste, o que alguns filósofos argumentam ser o sentido da vida.


Nossos julgamentos estéticos baseados na perfeição e na imperfeição têm quase invariavelmente consequências que afetam a qualidade de vida, o clima social e político de uma sociedade e o estado do mundo. Quando esperamos que tudo e todos sejam perfeitos, inclusive nós mesmos, não apenas descartamos muito do que é belo, mas também criamos um mundo cruel onde os recursos são desperdiçados, as qualidades positivas das pessoas são negligenciadas em favor de suas falhas, e nossos padrões tornam-se impossivelmente limitadores, restritivo e doentio.


A abordagem kintsugi aproveita ao máximo o que já é, destaca a beleza do que temos, falhas e tudo, em vez de nos deixar eternamente buscando por mais, diferente, outro, melhor. A mente comum é o caminho. Mas o que é de fato a mente comum? É a mente em que não há invenções, julgamentos de valores tendenciosos, preferências, tempo ou eternidade, nem pensamentos dualistas como comuns e sagrados. Em outras palavras, as experiências que você tem e a pessoa que você já são suficientes. Você pode, é claro, ocasionalmente lascar e quebrar e precisar de reparos. E tudo bem. Mas a realidade é o melhor e mais abundante material do planeta, disponível para qualquer pessoa, de graça, e todos podemos usar o que já temos - incluindo nossas falhas - para sermos bonitos. Afinal, são nossas rachaduras que nos dão caráter e nos tornam únicos.

256 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page